PARÓQUIA
SÃO SEBASTIÃO

igreja matriz - barra mansa

NAVEGUE PELO SCROLL DO MOUSE
COMUNIDADES ECLESIAIS
São Sebastião
HISTÓRIA DA COMUNIDADE

A nova capela construída, no Largo da Vila, à Rua da Direita (hoje, Praça Ponce de Leon, na Avenida Joaquim Leite), serviu como ponto de partida para a atual Igreja Matriz. Junto com o início da construção (1839) foram também organizadas as Irmandades do Santíssimo Sacramento e São Sebastião; o Governo da Província ergueu o Curato da Freguesia e do Bispado elevando à categoria de Paróquia, em 1841. A construção foi concluída em 1860, três anos após a “vila” ter sido elevada à “cidade”.  
A Igreja Matriz de São Sebastião na sua construção original, de estilo neoclássico província, recebia em torno de duzentos e cinqüenta fiéis por missa. Era dividida por dois corredores e a nave central, separada por duas paredes. A nave central continha vários nichos e possuía um acervo de imagens muito diverso.
Os anos foram passando e a Paróquia ficou sob os cuidados dos Padres da Congregação do Verbo Divino (SVD). Pe. Guilherme Münster (alemão), o 1º deles, desembarcou do Expresso Rio-São Paulo, nesta cidade, no dia 14 de abril de 1929. Era Domingo da Páscoa. Chovia muito. Ás 10 horas, ele presidiu sua primeira missa na Matriz, na companhia do franciscano Frei Adolfo Thoonsen (OFM), seu antecessor. As acomodações paroquiais eram pequenas, velhas e em mau estado. O zeloso pároco enfrentou situações difíceis e pouco tempo depois, vida nova começou a aparecer no local: como artista plástico, escultor, Pe.Guilherme cuidou muito bem do seu interior e com pinturas alegres e coloridas, deixou a Matriz belíssima para a comemoração do seu 1º centenário, em 1939.      
Com a chegada da industrialização na região, houve o crescimento da população no município e aumento do número de fiéis na Igreja. Ao lado da nave, havia um salão que serviu, por bom tempo, para o funcionamento da Escola Paroquial São Sebastião, usado também para o Cinema Paroquial. Este era o único local para as reuniões, catequese, teatro e confraternizações. Então, em 1958, houve uma reforma arquitetônica na Igreja Matriz, visando aumentar o espaço físico para acolher o número crescente de fiéis. Um outro grande motivo foi o comprometimento, por cupins, nas madeiras do interior da nave e do altar. 
A reforma aconteceu de 1958 a 1962, alterando a sua arquitetura para o estilo eclético. Foram retiradas as paredes e implantadas as colunas, alargado o presbitério(local onde está o altar) e construído o andar superior. Com essas modificações, foi triplicada a acomodação para acolher a quantidade de fiéis que passa ou que vem à cidade para conhecer ou ainda melhor, para participar das missas, celebrações e das diversas atividades pastorais, aqui experenciadas.

HISTÓRIA DO SANTO

S. Sebastião foi um dos muitos soldados romanos que por sua fé em Jesus foi martirizado. É uma pena que só se pode saber de sua história através das atas de seu martírio que foram escritas dois séculos mais tarde. Em quase todas as atas de martírios de santos e santas, os escribas tinham ordens de colocarem muitos detalhes do martírio e dar pouca ênfase ao martirizado.(isto era para assustar os futuros cristãos visto que as atas eram colocadas na cidade onde ocorria o martírio, e na biblioteca de Roma).
Um soldado do exército, nosso santo nasceu em Narbona, França, no final do seculo III e desde muito pequeno seus pais mudadaram para a Milao onde cresceu e foi educado. Seu pai era millitar e nobre e ele quiz seguir a carreira do pai, chegando a ser capitão da primeira corte de guarda pretoriana, um cargo que só se dava a pessoas ilustres e corretas. Sua dedicação a sua carreira valeu elogios de seus companheiros e principalmente do imperador Maximiano. Cumpre recordar que o império romano na época era governado no, oriente por Diocleciano e no ocidente por Maximiano. Maximiano ignorava que Sebastião era um cristão de coração e ainda que mesmo cumprindo as suas tarefas militares, não tomava parte nos sacrifícios nem nos atos de idolatria. Sempre que podia, visitava os cristãos encarcerados e ajudava aos mais fracos, doentes e necessitados.
Podia se dizer que era um soldado dos dois exércitos: o de Cristo e o de Roma. 
Maximiano empreendeu uma depuração de elementos cristãos nas forças armadas expulsando todos os cristãos de seus exércitos. Cabe dizer que o soldado do exercito romano era voluntário. Só era obrigatório servir, os filhos de militares, como era o caso do nosso Sebastião. Quando um soldado o denunciou. Maximiano sentiu-se traído por Sebastião e rapidamente o chamou e exigiu que renunciasse ao cristianismo.
Ante tal situação, Sebastião comunicou ao imperador que não queria renunciar as suas crenças cristãs e o imperador ordenou a sua morte. Mas Maximiano ordenou a sua morte de maneira a mais desumana. Ordenou que seus melhores arqueiros o flechassem! Os arqueiros o desnudaram, levaram-no ao estádio de Palatino, o ataram a um poste e lançaram nele uma chuva de flechas e o abandonaram para sangrar até a morte.
Irene, uma mulher cristã, providencial, que apreciava os conselhos de Sebastião, junto com um grupo de amigos, foram ao local onde estava o santo, e com assombro, comprovaram que o mesmo ainda estava vivo.
O desamarraram e Irene o escondeu em sua própria casa e curou as suas feridas. Passado um tempo, nosso querido santo, já curado, quiz continuar seu processo de evangelização e, em vez de se esconder, com valentia apresentou-se de novo a Maximiano, o qual ficou assombrado. Maximiano não deu ouvidos os pedidos de Sebastião para que deixasse de perseguir aos cristãos e ordenou a seus soldados que o açoitassem até a morte. 
Após sua morte, foi enterrado em um cemitério subterraneo sob a Via Apia. Mais tarde a Igreja  construiu na parte posterior da catacumba um templo em honra do santo: A Basílica de São Sebastião que lá existe até hoje e recebe grande romaria dos seus devotos. Existe ainda uma capela em Palatino em homenagem a São Sebastião.Em baixo uma foto de uma pintura (museo de Pushkin) mostrando Irene curando as feridas de São Sebastião.
A Irene que cuidou de São Sebastião, é a Santa Irene cuja festa é celebrada no dia 30 de março.
No Brasil, varias cidades tem seu nome como São Sebastião do Paraíso e São Sebastião dos Franciscos (Capitólio-MG)e nelas a igreja matriz tem o seu nome.
Algumas outras cidades com o nome e padroeiro São Sebastião:
São Sebastião do Barreiro-São Sebastião do Carangola
São Sebastião do Dionísio- São Sebastião do Engenho Novo 
São Sebastião do Erval- São Sebastião do Gil- São Sebastião do Grota
São Sebastião do Itatiaiuçu-São Sebastião do Monte Verde
São Sebastião do Óculo-São Sebastião do Oeste-São Sebastião de Paraúna
São Sebastião do Pouso Alegre-São Sebastião do Rio Preto
São Sebastião do Rio Verde- São Sebastião do Rio de Janeiro

HORÁRIO DE MISSAS

Missas: 1º e 3º domingos: 7h30’ e 19h 
             2º e 4º domingos: 9h30’ e 17h30’ 
             Terças e quintas-feiras: 7h 
             Quartas-feiras: 19h30’          
             Sextas-feiras: 19h30’   
Obs.: Na 1ª sexta-feira do mês, há missa também às 7h. Sábados: 19h30’