PARÓQUIA
SÃO SEBASTIÃO

igreja matriz - barra mansa

NAVEGUE PELO SCROLL DO MOUSE
Entrevista com o Padre Djalma Antônio da Silva (SVD) sobre sua ação missionária e nova Missão no Centro Cultural Missionário - CNBB, Brasília (DF)

Site: Padre Djalma valeu a pena o senhor aceitar a Missão na Paróquia São Sebastião?

 

Padre Djalma: “Toda missão vale à pena! Digo com toda sinceridade que minha passagem pela Paróquia de São Sebastião por um ano e cinco meses foi uma graça em minha vida. Quando o padre Provincial da SVD, Carlos Vieira, solicitou-me para vir para Barra Mansa, pedi três dias para rezar. E foi o que aconteceu. Depois liguei para o provincial e disse sim a ele. Lembro-me das palavras do nosso fundador, São José Freinandemetz que dizia: o melhor lugar do mundo é aquele onde Deus me quer. Coloquei-me a disposição porque vi em Barra Mansa a necessidade de Deus”.

 

Site: Como o senhor agiu diante dos problemas e desafios da Paróquia São Sebastião?

 

Padre Djalma: “Sempre digo que Deus nos conduz, e quando a gente abre o coração, ele nos orienta e a gente nem percebe. Foram momentos difíceis que exigiram de minha parte muito diálogo e escuta de qual era a vontade da maioria das pessoas. Qual era a vontade de Deus nesta situação? Estabeleci uma espécie de ouvidoria, antes de tomar uma decisão. Não tomei nenhuma decisão sem antes ouvir a comunidade, as pessoas e o Conselho Paroquial. Tudo que nós fizemos foi partilhado com o apoio do conselho. O mais interessante que aconteceu foi a atitude das pessoas que se colocaram solidárias e à disposição, de tanta gente. Isto ajudou-me demais! Foi tudo tão rápido que nem vi passar. Tudo acontece com a vontade de Deus. Toda a comunidade ajudou. Sou muito grato a todos”

 

Site: O que o senhor espera da nova missão no CCM – Brasília (DF)?

 

Pe Djalma: “É realmente uma nova missão e algo novo, pois sempre gostei de trabalhar com as missões. Quando eu era criança e falava com meu pai que gostaria de ser padre, minha intenção era ser missionário. Havia uma coleção chamada História Sagrada, a qual falava da vida dos Santos, em formato de quadrinhos, e meu pai comprava estas histórias. Eu ficava admirado por saber da vida de um Santo que trabalhava na Ásia, na Amazônia e na África. História de São Francisco Xavier e de Daniel Comboni, que o padre Conrado nos doava. Era a revista Sem Fronteiras. Padre Conrado foi meu promotor vocacional e pai espiritual. Fiquei entusiasmado com a História das Missões. Depois disso, quando terminei o primeiro grau, queria ser padre. De repente, entrei na Congregação do Verbo Divino, por causa do padre Conrado. Não conhecia muito sobre a SVD, seu trabalho Além Fronteiras e ação missionária. Deus colocou-me nesta Congregação Missionária. Sempre dediquei às missões, a missiologia, e pelos estudo das culturas. O Centro Cultural Missionário para onde fui designado, é o espaço onde recebe missionários de outros países que precisam conhecer a história do Brasil, às comunidades e a realidade brasileira. O CCM, também prepara para a Missão Ad Gentes, para missionários brasileiros em outros países, além de outros cursos missionários”.

 

Site: Deixe suas considerações finais e a despedida aos paroquianos. 

 

Padre Djalma: “Levo todos no meu coração e gostaria de abraçar todo mundo, mas como isto não é possível, fica para outro momento. Peço para que rezem por mim e estarei sempre rezando por vocês. Sejam missionários e nunca abandonem a Igreja. As dificuldades fazem parte de nossa vida. Fiquem firmes e unidos no trabalho missionário e amando a Igreja. Fidelidade a Jesus Cristo. Amor ao irmão mais necessitado que precisa da gente. Que Deus os proteja. O Senhor esteja conosco. Ele está no meio de nos. Por intercessão de Nossa Senhora Aparecida, São José, Santo Arnaldo Janssen, São Sebastião e São José Freinandemetz e todos os santos, desçam sobre nós. Pai, Filho e Espírito Santo”.

 

 

Vagner Mattos